“Encontro pelo Conhecimento Livre”

Conhecimento livre, informações abertas, recursos de educação na medida de cada pessoa, em qualquer lugar e promovidos em ambiente de troca e intensa colaboração. Está familiarizado com este assunto? Quer saber um pouco mais? Estas e outras questões foram discutidas no “Encontro pelo Conhecimento Livre”, que refletiu sobre novas tendências em educação, produção e circulação livre de informações. Organizado pelo Grupo de Trabalho em Ciência Aberta, formado por pesquisadores brasileiros e apoiado por organizações sem fins lucrativos, Open Knowledge Foundation Brasil e Wikimedia Foundation, que incentivam a produção, desenvolvimento e distribuição de conteúdo livre e multilíngue, o evento aconteceu em dois momentos.

Primeiro (dia 07/06) foi realizado um encontro entre pesquisadores e interessados, que aconteceu na USP (auditório Abrahão de Moraes, do Instituto de Física) e apresentou experiências e esclarecimentos nos seguintes temas:

Acesso aberto a publicações científicas

• Dados científicos abertos

• Ferramentas científicas abertas

• Ciência cidadã

• Educação aberta e recursos educacionais abertos

• Wikipesquisas

veja os convidados e resumo das palestras aqui.

Todos os temas tratados acentuam a necessidade de maior liberdade na aprendizagem e exigem ações de apoio e políticas públicas para ampliação dos saberes da sociedade para um mundo melhor.

O segundo momento (dia 08/06) aconteceu na simpática e aconchegante Casa Nexo, onde foi promovida uma oficina para consolidar os conceitos tratados no encontro e ampliar o grupo de trabalho formado por interessados na prática de processos abertos na ciência.

Local onde foram realizadas as oficinas, no 2º dia do encontro sobre Ciência Aberta.

Casa Nexo, no bairro do Cambuci:  “Lugar de convergência, território de influências.”

Participamos destes dois encontros e tomamos contato com ideias novas que indicam um caminho (sem volta) para nossa sociedade do conhecimento: informação livre, conteúdo aberto para uma educação melhor, construída com base na colaboração entre pesquisadores e regido por quatro liberdades fundamentais: uso, cópia, modificações e distribuição de dados, que visam expansão de saberes para o bem estar científico e social.

O Movimento de Ciência Aberta esbarra em inúmeros conflitos com os modelos vigentes de educação, mercado e direitos autorais, mas é um conflito necessário para encontrarmos um modelo melhor (e mais justo) de divulgação e apropriação de informação.

Por que este tema interessa as Bibliotecas Públicas? Porque lida com a matéria prima de nossa área: informação. Além disso, experiências democráticas já estão acontecendo e o contexto profissional esta mudando para as Bibliotecas Públicas, assim como para bibliotecas escolares e universitárias, que precisam se adequar e definir qual será seu papel frente a esse novo modelo de acesso e disseminação de informação. Para isso, encarar as novas tecnologias de pesquisa colaborativa como aliados e enxergar estas instituições como espaço de convivência, troca de experiências e conhecimento aberto (entre biblioteca, usuário e comunidade) nos parece o primeiro passo.

Muito ainda precisa ser discutido, por isso, em outro texto voltaremos ao tema para refletir sobre o papel da Biblioteca Pública na dimensão do conteúdo aberto. Por enquanto, se você quer entender um pouco mais sobre o mundo wiki, recursos educacionais abertos, ciência aberta e participar das discussões do grupo, comece pelos links:

Portal Ciência Aberta

Educação Aberta e Recursos Educacionais Abertos

Wikiversidade

Mika é a mascote da casa. Ela participou das oficinas.

Presença felina: Mika, mascote da Casa Nexo, nos acompanhou durante as oficinas e intervalos.