Cultura e Marco Civil da Internet

Já pensou em como você está envolvido com a cultura da Internet? Comportamento, negócios, comunicação, diversão… São muitos os aspectos culturais que nos colocam em contato com a rede e, por mais distante que você acredite estar desse ambiente, a cultura produzida na Internet já faz parte do seu cotidiano e foi absorvida pelos tradicionais canais de comunicação, onde você consome informação. Isso já é um fato, nada demais. Agora imagine ser possível olhar por uma janela e observar esse impacto da cultura da Internet, ou melhor, reconhecer você dentro desse universo, como se estivesse olhando para um espelho? Um bom lugar para ter essa sensação é o Festival youPix. Este evento, além de “termômetro cultural”, permite refletir como você, grupos sociais, gerações “XYZ” [veja pesquisa “jovem digital“], empresas e profissionais das mais diversas áreas estão conectados, bem como promovem mobilizações, campanhas, produtos e inovações colaborativas.

A (14ª) edição do festival deste ano aconteceu nos dias 5 e 6 de julho, no 2º andar da Bienal, no Parque do Ibirapuera (SP), onde a acústica do local continua gerando um zumbido permanente provocado pela energia das discussões e grande troca de ideias dos visitantes. Muitos debates aconteceram ao mesmo tempo, em vários palcos distribuídos pelo andar [veja como foi a programação e balanço do evento], mas ficamos concentrados no Palcão Principal, especificamente no debate “A Liga de Defesa da Internet“ que discutiu o Marco Civil da Internet.

O Marco Civil pretende regular o uso da Internet no Brasil, propondo princípios, garantias, direitos e deveres de quem usa a rede; seu projeto de lei (PL 2126/2011, atualmente anexado ao PL 5403/2001) trata de temas como neutralidade da rede, privacidade, retenção de dados, função social da rede e responsabilidade civil de usuários e provedores. Os debatedores chamaram atenção para a luta de poder e os interesses implícitos na aprovação desse projeto, assim como no risco de prejuízo para liberdade de uso da Internet, caso prevaleça, por exemplo, reivindicações de operadoras de telefonia [assista íntegra da discussão]. No CBBD deste ano, a neutralidade da rede foi também uma questão levantada durante o evento e para alertar sobre seu impacto foi exibido o seguinte vídeo:

Agora reflita novamente: como você está envolvido com a cultura da Internet? Muitas vezes escutamos colegas bibliotecários comentarem: “isso é para novas gerações”, “não estamos acostumados com essas ferramentas”, “essa cultura ainda está fora da nossa realidade”, “é só para especialistas no assunto”. Isso não é verdade. Entendemos que existem dificuldades normais para acompanhar novas tecnologias e muitas restrições financeiras, mas já estamos vivenciando ambientes digitais e precisamos ser profissionais do nosso tempo para encarar a cultura da Internet de frente, criticar, sugerir mudanças, fazer diferente e não ficar a parte desse processo.

Hoje (23/7, às 19h) uma aula pública sobre o Marco Civil da Internet vai acontecer no vão do MASP e, em setembro, acontecerá o III Fórum da Internet no Brasil. São boas oportunidades para entender melhor este assunto e colaborar na construção de uma sociedade (em rede) mais democrática. Participem!

Anúncios